quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O meu amigo, Quasímodo!


Gaúcho de nascimento traz a marca do tempo, de alguns cabelos brancos. E garanto que ninguém sabia, que o vivente tinha, um nariz de batatinha.

De chimarrão encilhado o dia inteiro, sempre pronto pra matear. Homem que sabe fazer economia, pois todo dia, as duas colheres de erva que usa, são colocadas pra secar no telhado, pra voltar no outro dia cedito, encilhar o chimarrão novamente.

Mas que falar, de um gaúcho tão bonito? meninas que acharam?


Beijos, aos que visitam este espaço!



P.S.: Amigo de verdade, que tenho imenso carinho. Inteligente, escritor, cantor, músico, homem de alma sensível às artes e a cultura. E que tem, um ótimo senso de humor.


12 comentários:

Betin@ disse...

oie !!!
filhota eu não o conhecia, mas ele é lindo.
Por dentro mais ainda.
Ser economico sempre é bom.
Beijos

uns olhos... disse...

má que cosa!
tanto tempo vendo esse corcundinha charmoso e nunca que tinha pensado que o menino fosse bonito desse jeito.
e mais ainda, nunca que imaginei que ele tivesse um nariz de batatinha, assim quiném que eu...
mas muquirana??? que é isso, quasi? sem chance de ser convidada p/ matear com você, né?
beijos aos dois

BETANIA MARIA disse...

Meu amigo a tanto tempo eu nem sabia que ele era esse gatão.
Beijos
Betânia

Quasímodo disse...

Mas bah, tchê! Que barbaridade, guria! Se eu calculo que irias botar meu retrato aqui teria caprichado mais no semblante, lavado o couro na sanga. Teria passado sebo de ovelha nas botas e Glostora nas melenas.
Escuta, Xirua dos Olhos: só poupo erva quando eu mateio solito. Quando eu tenho um cambicho nos costados o mate é cevado na cuia grande com erva buena da Palmeira, e a bomba de prata com bocal de ouro que ganhei de um castelhano numas carreiras. E de lambuja te aperto um baio de amarelinho de Sobradinho na palha que eu mesmo colho, escolho e aparo. E ainda boto umas raspas de figuerilha dos campos de Uruguaiana que é pra adocicar o ar e as paredes do rancho.
Prá bóia eu te preparo um carreteiro com arroz de Cachoeira e charque da Vacaria. Depois eu areio a panela com sabugo sapecado, que china minha não bota as mãos em sabão de soda e nem em sovéu mal ensebado, pra que não fiquem lixentas e raspem no entrevero dos carinhos na hora dos pelegos.
De sobrelombo te sirvo uns doces de pesco, que a prenda loira vai me mandar lá de Pelotas.
Depois, enquanto a tarde vai mermando, eu dou de mão na minha viola e te dedilho umas coplitas amilongadas do Tarragó Ros.
Mas me diga lá, Prima Xirua... Me conte... O que será aquela coisa verde no meio das botas do índio veio? Será resto de grama do potreiro, quando, de já hoje, fui campear o zaino?...
Obrigado pelo carinho e amizade Lu. Beijos, meninas Betina, Uns, Betha....

Milly disse...

Credo!!
Mas que gato!
E ainda trovador,cantor,escritor...
inteligente,homem de alma sensível...bah!
Isto tudo num único ser?
Só por Deus!
Não deve ser deste mundo...um ET,só pode!
E aquilo verdinho entre as pernas...das duas,uma..
Ou é resíduo da nave espacial...ou é xixi marciano...rs
Homem deste "nipe" não tem na Terra...não tem mesmo!..rss
Mó fofo tu és!..rs
.
Beijos,Quasímodo!
Beijos,Prima!
(Saudades de ti...)

fá disse...

____aahh um gaúcho assim, barbaridade!!! eu aqui sem saber de nada...ô meu querido amigo, alegria te saber.
sabe né? te tenho um carinho especial. e desejo um mundão de alegrias para você!.
bah!! mateando erva usada é demais tchê!! rs*
.
um beijo querido.

Quasímodo disse...

Milly;
Já me disseram que "aquilo" é efeito do chimarrão preparado com a erva do telhado. Mas não é, não..
E quanto aos predicados do gaúcho, esses ficam por conta do coração grandioso da prima.
Beijo, menina Milly.

Fá;
Notinha escrita em clave de luz...
Alegria em saber-te, também.
A história da erva já está devidamente explicada. Será que convenceu?
Beijo, querida amiga.

Lu;
A sabedoria em viver consiste na nossa capacidade de saber que a vida é feita de encontros e desencontros, de enganos e desenganos, chegadas e partidas. IDAS E VINDAS.
Sobreviveremos, sem desumanizarmos, se soubermos manter coesos os laços de amor e carinho estabelecidos. LAÇOS DO INFINITO.
Obrigado pela homenagem bem humorada, querida amiga.
Estarás sempre em meu coração.
Quem sabe, um dia ainda, poderemos matear juntos, com a cuia grande e a bomba de prata, por especial que ela é. Em silêncio, por desnecessárias e traiçoeirs as palavras.

Beijos, Prima Lu.

Lu disse...

Agradeço a todos que aqui estiveram, partilhando dessa pequena homenagem, embora em forma de brincadeira, ao nosso amigo Quasímodo.

Agradeço o carinho de todos.
Beijos e voltem sempre.

Coração Alegre disse...

Ai...ai...ai...ai...ai!!!

Mais que gaúcho mais charmoso! E mais lindo ainda com um nariz de batatinha...rsssss
Quasímodo, será que um bom chimarrão combina com um baita porquinho bem assadinho?...rsssss
Cá pra nós, tomara que a Prima não leia isso!
.
Mas brincadeiras à parte, um bom gaúcho tinha que ter todas essas qualidades...tu merecia essa homenagem...beijooooos, Quasímodo!
.
beijooooos pra ti, Lu...

Quasímodo disse...

Buenas, Xirua dos Coração.
Pois a propósito do suíno te mando este chasque:
Gaúcho que se preza não come esses insetos criados em chiqueiros e encerras.
Só carneamos esses bichos por causa do chourisso e do salame. E da banha pro ovo frito e pro revirado.
De animal pequeno, só de vez em quando carneamos uma ovelha prá tirar os pelegos. Coisa que esse ronca e fuça não se presta.
Bom mesmo é uma picanha ou uma costela sangrenta,de boi gordo, atravessada numa vara de guamirim.

(Beijo, amiga)

Anne disse...

Mas Bah, então esse é o quasimodo? Eu não sabia que ele era assim, tão bem apanhado!!! Esse nariz é um charme mesmo, sem contar a pose com o chimarrão na mão...rs.

Quasimodo, se tu quiseres eu te mando um pacote de erva, pra não ter que secar as 2 colheres no telhado...rsrsrsrs. Isso sim é q é economia, to precisando aprender a ser economica tb! Aliás, o governo deveria fazer o "bolsa erva" - deixando claro que to falando da erva do CHIMARRÃO, ok? rs

E ainda bem que tu não é chegado em carne de porco, assim o porquinho da Lu está salvo mais uns dias, se as amigas dela já não levaram ele... =P

Beijos pra vc, de quem a Lu me fala muito bem, sempre. E beijos pra Lu, que mora no meu coração pra sempre, na área VIP...rs

Beijos, minha querida amiga!

Quasímodo disse...

Buenas, guria Anne.
Aqui, na campanha, nem botamos muito reparo nessas coisas de buniteza. O gaúcho aqui mais vale por amanunciar um redomão do que ter cara lisa de santo.
De vez em quando te leio por aqui, encolherando as letras que a minha mãe me ensinou, quando guri, alumiando com o lampião de querozene o livro "Queres Ler..." Aprendi a soletrar.
Me representa, guria, que tu tens sabedoria. Conheces até os ipisilones...
Mas bueno; tu me pareces ajojada com a prima. Carregando a canga junto.A prima, lhe digo, é meio dura de orelha. Por mais que puxe a ranjeira, ela cabresteia, e segue o rumo que quer. Deve ser da natureza.Não aceita arreio nem buçal. Maneia, então...

Me voy, porque a lida me espera. Não carece me mandar a erva. Despois que passar o tempo das geadas, que tá perto, eu e o Natalício vamos cortar uns galhos e trazer pro barbaquá. Vou sapecar com lenha de guabiroba, que é a lenha boa prá que não amarele e não perca o gosto.

Um abraço, Xirua das letras bunitas.