quarta-feira, 21 de julho de 2010

Nesses dias de invernia...



Aqueço reminiscências dos dias vividos, retemperados de sonhos férteis, mesclados às preces, e as possibilidades da vida... Tento entender, o que me fez ter tão pouco para dizer, tão pouco a comunicar, quase nada para contestar, e muito pouco para questionar...

Quem sabe seja a velha e sábia sensatez presente... Pra que essa existência não termine simplesmente fragmentada, em um caminho, em uma inverdade, em uma ideia, em um conceito, ou, em uma ilusão...

Foram-se os motes a trote, feito uma tropa de mulas em retirada, carregadas levando em seu bojo conjecturas, fatos, pensamentos, sobrando apenas cismas conselheiras, sussurrando parcos argumentos...


Talvez então, após essa cena estapafúrdia, reste-me fechar a porteira, enquanto em patas lerdas, segue a carga rumo à fronteira... Quem sabe andejem pelo espaço que elas merecem, seguindo em busca de horizontes, e novas fontes... E no vazio destas tardes de frio, calada, eu encontre a razão desta prolongada estiada...


Beijos, caros visitantes!


9 comentários:

Anne disse...

Minha amada amiga! Vejo esse recolhimento como uma retirada estratégica, algo como um "fechado para balanço" mesmo. Vejo q nesse tempo vc reviu e descartou mtas coisas, assim como guardou as q lhe são preciosas. Admiro mto vc, pela sua força, pela sua coragem, pelo seu enorme coração. Vc, pra mim, sempre foi e sempre será luz, independente da fase em q estiver.

Adoro ler vc, mesmo qdo acha q nao tem nada a dizer...

Amo vc, saudades!
P.S.: O Jimmy ainda vive?

Milly disse...

Muitas vezes falamos,falamos e não somos ouvidas...
Outras vezes,nos calamos e nosso grito ecoa alto!
Sabes que aqui tens braços e abraços...e que por mais que eu fale,me calo e ouço qdo é necessário.
Grite e eu virei...
Deixo beijos...muitos!
.
.

Quasímodo disse...

Amiga querida.

Infelizmente o texto não aparece aqui, para mim. Já apertei todos os botões do teclado, cliquei naquelas flechinhas verdes que correm uma atrás da outra... e nada.

Ontem, na procissão do São Cristóvão, que passou aqui em frente, fiz promessa. Até agora nada. Acho que é boicote.

Mesmo sem te ler, vou curtir a neve e a saudade de ti.

Grande abraço.

uns olhos... disse...

muitas vezes o silêncio diz mais que muitas palavras...
ficando quietinha com você.
.
.
.
.
.
beijos e abraços

Lu disse...

Anne!
Não sei definir. Quem sabe entenda mais adiante, depois das águas rolarem...O tempo nos faz entender, basta ter um pouco de paciência e reflexão.
Mas concordo, descartamos muitas coisas, e guardamos as boas.

Embora já tenha lhe dito que não sei o que aprendemos, ou que benefício há, em depararmos com algumas "coisas" do mundo externo...
Enfim, cumpre-nos seguir em frente...rs

Agradeço! És um lenitivo, com suas doces palavras e sua presença.

Jimy vive, embora com cuidados redobrados...Um velho teimoso e guerreiro!

Amo-te incondicionalmente!

Lu disse...

Milly...
Talvez eu tenha simplesmente cansado de argumentar...rss

Obrigada por estar disponível para me ouvir.Eu grito, bem sabes!

Beijos, um balaio deles!

Lu disse...

Quasimódi!
Um boicote, só pode!
As vezes nem os santos nos atendem...rss


Obrigada pela visita!
Um quebra costelas! rss

Lu disse...

Ah, uns... Falam muito alto!
O silêncio dos conscientes, é uma dádiva, ao passo que o silêncio dos inconsequentes,torturas para sua própria alma.


Quietas, apreciando as "barbuletas" sobrevoando as flores, e a beleza desse Universo contagiante, né?

Beijos, muiiiitos!

Lu disse...

Quasimódiiiiii
Brrrrrr...que frio!

Pois não é que nevou mesmo aká ?!